Clipe de "Vai Malandra" é muito mais que "bumbum" - Pop Brasil

ÚLTIMAS!

segunda-feira, 18 de dezembro de 2017

Clipe de "Vai Malandra" é muito mais que "bumbum"

Foto: Divulgação 

Anitta lançou nesta segunda-feira  (18), o último single e clipe do projeto CheckMate. Intitulado "Vai Malandra", a nova aposta da artista em parceria com MC Zaac, Maejor e Tropkillaz , dividiu opiniões na web. Independentemente de a letra ser ruim,  o que merece destaque e aplauso é a forma com que a cantora reafirma o seu poder em criar uma mensagem protesto através de suas produções. 

Seja na estética do clipe,  na letra e na fotografia, "Vai Malandra" vai além da letra simples , da batida raiz do funk carioca.

Na introdução,  o corpo sem tratamento de vídeo , deixando a celulite visível, é um retrato da mulher brasileira - uma desmistificação do quão Anitta não é diferente da doceira, da mulher que desce o morro pra trabalhar como doméstica,  ela também tem celulite e ficou claro que a realidade incorporada na estética de "Vai Malandra" é o que deve ser levada em conta. Além das mulheres na laje curtindo sol e usando fita isolante, a referência à lei que criminaliza o funk também ganhou voz. No começo do clipe, ela aparece sentada em uma moto com a placa amarela "ANT 1256" em destaque. O número em questão se refere ao projeto de lei do empresário paulista Marcelo Alonso, autor da ideia, encaminhou à CDH (Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa) 20 mil assinaturas favoráveis ao projeto. No texto, ele diz que os bailes de 'pancadões' são somente um recrutamento organizado nas redes sociais por e para atender criminosos.

Se com um clipe repleto de informações,  que mira a realidade muitas vezes mascarada pela grande mídia, você está mais preocupado em criticar a "nudez" e afins - reveja seu conceito de hipocrisia. 



POP Brasil
David Dukki