COLUNA: Biel sempre foi um produto e tweets antigos confirmam sua péssima fabricação - Pop Brasil

ÚLTIMAS!

terça-feira, 2 de agosto de 2016

COLUNA: Biel sempre foi um produto e tweets antigos confirmam sua péssima fabricação

Foto: Reprodução


É chato ter que reler o rótulo de um produto que achávamos ter sido consertado pelas inúmeras críticas de seus consumidores e não-consumidores, após chegar ao mercado com inúmeras falhas. Ás vezes, é preciso voltar a estaca zero pra tentar compreender que tipo de produto estamos consumindo e que tipo de artista a mídia e o público vêm sustentando.

Refiro-me ao produto Biel, 'artista' cujo sua arte sempre foi plastificada e revestida de sons artificiais, letras banais e uma imagem de garoto malhado (papel ideal para render inúmeras cifras) entre o público teen. Não coloco como questão a vida pessoal, a educação e nem tampouco o caráter do 'cantor', trago como questão a linha de pensamento enraizada desde sempre na rotina do astro teen, linha de pensamento que veio á tona nesta segunda-feira (01). Tweets antigos e todos com mensagens preconceituosas desenhavam um total desrespeito presente na mente de um rapaz, que de forma cômica serve como espelho para muitos jovens. 'Ele só tinha 15 anos',   bradava em coro os defensores do funkeiro, usando a frase como justificativa. 

A sociedade precisa parar de querer justificar todos os erros, enaltecendo outros. Principalmente, aqueles que interferem moralmente e que tendem a provocar um turbilhão de fantoches e de mentes iguais.  É inadmissível que tratemos como 'naturalidade de adolescente' algo que humilha, diminui e trata de forma desrespeitosa todo e qualquer cidadão: Seja ele idoso, travesti, negro, gordo - seja qual for o estereótipo. 

O que causa mais nojo  e bem mais do que as mensagens antigas e  muito bem retratadas nas últimas polêmicas do funkeiro (Atropelamento, Velocímetro acima do permitido...),  são pessoas buscando uma forma de justificar as ofensas digitadas pelo astro no passado. Sabe aquele ditado repetido exaustivamente por nossa avó " É do pequeno que se faz o grande", talvez isso explique o motivo de nenhuma mudança ter sido notada das mensagens de 2012 e dos recentes comportamentos do ídolo teen. Estamos em um momento tão complicado no país, em que nada parece funcionar, em que ideologias preconceituosas e fundamentalistas se propagam diariamente,  a revolta é um direito de todos nós. 

Ele vai amadurecer? Só o tempo vai dizer.
Mas, o que está em pauta é o presente, presente que tem sido reflexo de um passado que veio á tona graças a internet. Como e onde Biel estará daqui há 10, 20 anos, não interessa. A questão é uma só: Esse Biel que vem sendo massacrado nos últimos meses, é apenas um reflexo do péssimo gosto de boa parte dos brasileiros, da liberdade e valor demasiado que a mídia no geral lhe oferece. Não é perseguição, nem tampouco desejar o fim de sua carreira, ele tem família, tem inúmeras pessoas que dependem do seu trabalho, mas talvez trabalhar com arte não seja a sua vocação. A gente só oferece aquilo que tem, e colhemos com a mesma proporção. E desde que Biel foi lançado nacionalmente, arte é algo que passa longe de seu retrato e histórico na música nacional.

No mais, só saberemos de fato, as consequências e mudanças na vida do funkeiro, seja ela pessoal e/ou profissional, com o passar do tempo. Até lá, estaremos sujeitos a ter como espelho jovem, um rapaz que ainda não aprendeu a ser artista e nem tampouco faz questão de  'Ser Humano'.

POP Brasil
David Dukki