COLUNA: Independente do gênero musical, Wanessa possui uma história e merece respeito - Pop Brasil

ÚLTIMAS!

terça-feira, 19 de julho de 2016

COLUNA: Independente do gênero musical, Wanessa possui uma história e merece respeito

Foto: Divulgação


Desde que anunciou a sua volta ás origens,  a cantora Wanessa tem recebido inúmeras críticas , principalmente dos seus fãs.  Bastou um vídeo  divulgado no Facebook, em que a cantora falava sobre a nova fase de sua carreira e revelava alguns trechos de músicas com uma pegada no sertanejo universitário,  que um turbilhão de comentários negativos e um enorme descontentamento sobre um 'previsível' retrocesso,  vieram á tona.  Houve críticas de todos os lados, dos fãs que acompanham a cantora desde o início da carreira e daqueles fãs que passaram a enxergar Wanessa como uma diva da música, a partir de sua fase pop e dance.

Trago como questão,  a forma desrespeitosa como algumas pessoas estão encarando essa nova fase que ainda nem começou, e nem tampouco chegou ao mercado. É vergonhoso como alguns comentários revestidos de 'críticas construtivas' tratam a escolha da cantora como 'lixo'. É como se o sertanejo fosse algo tão cruel e desumano, a ponto de ser tachado por algumas pessoas como 'algo podre'. É compreensível , as críticas de quem acompanha Wanessa desde o começo da carreira, porém, até a página 2. Quando nos submetemos a criticar, questionar seja lá qual for o assunto, argumentos e palavras precisam ter como base - o respeito. Caso contrário, todo o questionamento perde o valor.

Contradições  x Frase tirada do contexto x Ignorância x Boates
'Ela disse que não gostava, não se identificava com o sertanejo', bradou um fã filosofo do Facebook. Esse mesmo fã, talvez tenha esquecido que a cantora dias depois dessa polêmica entrevista para a Revista Vogue, tratou de desmentir a nota e declarou: 'Falei que não ouço, nunca disse que não gostava'. O que coloco em questão não é o 'gosto' pela música sertaneja, e sim, pela liberdade  que a música dá a todo artista de se reinventar, mudar e até mesmo retomar aquilo que um dia já fez parte de sua trajetória. Mas, o que fica notório na maioria dos comentários maldosos, não é a mudança de Wanessa , (ou o possível retrocesso) e sim , a escolha pelo gênero sertanejo. É como se não quisessem dar a chance a uma cantora com 15 anos de história de voltar a experimentar algo que um dia ela já consumiu, por puro preconceito. 'Ah, mas ela está fazendo isso pra faturar, pois é o que está dando dinheiro', disse outro seguidor. Sejamos sinceros, a 'cena eletrônica e dance' no país, não possui grandes eventos e nem tampouco visibilidade pra manter um artista do porte da cantora Wanessa. Boate no Brasil, é uma espécie de lazer e diversão dos finais de semana, o show business nesse meio é escasso em nosso país, não somos Vegas e a qualidade oferecida fica aquém do esperado, principalmente pra uma turma que se doa, faz o melhor e nem sempre encontra o melhor para apresentar aquilo que produz. A maioria dos espaços, comportam públicos pequenos e que não condizem com a realidade, trajetória e o nome do artista. 


Público
Perda de público?  Há riscos e eles precisam ser encarados. E se na pior das hipóteses, ocorrer a perda de público, será bem menor que a época de sua transição da fase romântica para o pop. É só voltarmos ao passado e analisar, que tudo que Wanessa produziu nos últimos anos ficou restrito ás boates, não alcançou charts consideráveis em rádios populares (rádios, ainda servem como parâmetro do que está , ou não, na boca da grande massa). Um público que não era fã mas consumia suas canções, comparecia nos shows para ouvir todo o romantismo da cantora, nos últimos anos se perguntava: Wanessa sumiu!?. Embora, a realidade era completamente diferente, o 'sumiço' das rádios, da TV,  tinha como pano de fundo um restrito palco de uma boate, só conhecido e aclamado pelo público LGBT - uma conquista que merece ser aplaudida, mas nada mais que um bônus de um ostracismo criado por uma parcela que mesmo não sendo fã, curtia as canções melosas e radiofônicas da cantora.

No mais, qualquer tipo de mudança, divide opiniões, e isso é muito bom para qualquer artista. É uma prova concreta de que o público ainda se interessa por seus feitos. Retrocesso, ou não, Wanessa merece todo o respeito.

POP Brasil
David Dukki