Claudia Leitte não se beneficiou de incentivos fiscais, livro aprovado foi abortado no ano de 2015. Confira! - Pop Brasil

ÚLTIMAS!

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

Claudia Leitte não se beneficiou de incentivos fiscais, livro aprovado foi abortado no ano de 2015. Confira!

Foto: Divulgação


O livro da Claudia Leitte que recebeu autorização do Ministério da Cultura (MinC) para captar 355.927 reais para sua publicação não sairá do papel. Conforme nota divulgada pela assessoria de imprensa da cantora, o projeto já tinha sido abandonado em 2015, antes de receber o aval da pasta. A equipe de Claudia não soube explicar por que ela desistiu do livro.

Conforme decisão publicada na terça-feira no Diário Oficial, o MinC autoriza a produtora da cantora, a Ciel, a captar patrocínio para uma biografia, com entrevista, letras e cifras de músicas e fotos dela. O projeto seria assinado pela jornalista Jaqueline Gonzales, antiga assessora de imprensa da Claudia. Ao site da VEJA, no entanto, Jaqueline disse que não tem qualquer envolvimento com o livro e que não trabalha com a cantora há um ano.

Nota da assessoria de imprensa de Claudia Leitte:

Em 2014, um projeto previa um livro institucional sobre Claudia Leitte - ao contrário do noticiado pela imprensa, não tratava-se de uma biografia. Ontem, também pela imprensa, a Ciel - empresa que gere a carreira da artista - soube que o projeto, em total conformidade com Lei Rouanet, foi aprovado. Deste modo, a Ciel poderia captar recursos junto a iniciativa privada. No entanto, a Ciel repudia notícias maldosas que sugerem que Claudia Leitte se beneficia de incentivos fiscais e informa ainda que o mesmo já estava abortado - sendo assim, como o recurso não foi captado, será arquivado no MinC (Ministério da Cultura).

Vale lembrar que autorização de renúncia fiscal em favor de uma das maiores  cantoras e estrelas do showbiz brasileiro motivou um enxurrada de críticas ao MinC no Facebook. 

Veja também: Wesley Safadão lança 'Coração Machucado', sua nova música de trabalho

POP Brasil com informações da VEJA
Felipe Santos